ANO: 26 | Nº: 6575
25/03/2020 Esportes

Olimpíadas e Paralimpíadas são adiadas

Foto: Daniel Zappe/CPB/MPIX

Bajeense Roberto Alcalde buscava classificação para os Jogos
Bajeense Roberto Alcalde buscava classificação para os Jogos

Após dias de pressão de várias frentes do esporte, na manhã de ontem, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, confirmou o adiamento das Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio 2020. A decisão foi tomada após teleconferência com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. Ainda não há uma nova data, contudo, a tendência é de que a competição ocorra até o verão de 2021.
Até a manhã de ontem, a pandemia já tinha registrado mais de 390 mil casos e mais de 17 mil mortes pelo mundo. Conforme dados divulgados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), 178 atletas brasileiros já estavam classificados para as Olimpíadas. A estimativa era de que a delegação fosse composta de 250 a 300 representantes. Nas Paralimpíadas, o Comitê Paralímpico Brasileiro afirma que o Brasil tinha assegurado 117 vagas. A estimativa era de que a delegação tivesse 415 pessoas, entre atletas e comissão técnica.
Vale lembrar que o nadador bajeense Roberto Alcalde estava buscando classificação para a Paralimpíada. Agora, resta saber como ficará o calendário de competições pré-Tóquio para 2020.

Segue abaixo, a nota oficial do COI, na íntegra:

"O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizaram uma conferência por telefone nesta manhã para discutir o ambiente de constantes mudanças com relação ao Covid-19 e as Olimpíadas de Tóquio de 2020.
Estiveram juntos ainda Mori Yoshiro, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020; o ministro olímpico, Hashimoto Seiko; o governador de Tóquio, Koike Yuriko; o presidente da Comissão de Coordenação do COI, John Coates; Diretor Geral do COI, Christophe De Kepper; e o diretor executivo dos Jogos Olímpicos do COI, Christophe Dubi.
Bach e Abe expressaram sua preocupação em comum com a pandemia mundial do Covid-19 e o que isso está fazendo na vida das pessoas e com o impacto significativo que está causando nos preparativos dos atletas em todo o mundo para os Jogos.
Em uma reunião muito amigável e construtiva, os dois líderes elogiaram o trabalho do Comitê Organizador de Tóquio 2020 e observaram o grande progresso que está sendo feito no Japão para lutar contra o Covid-19.
A propagação sem precedentes e imprevisível do surto viu a situação no resto do mundo se deteriorar. Ontem, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a pandemia do COVID-19 está "acelerando". Atualmente, existem mais de 375.000 casos registrados em todo o mundo e em quase todos os países, e seu número está aumentando a cada hora.
Nas atuais circunstâncias, e com base nas informações fornecidas hoje pela OMS, o Presidente do COI e o Primeiro-Ministro do Japão concluíram que as Olimpíadas de Tóquio devem ser remarcadas para uma data posterior a 2020, mas não depois do verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e a comunidade internacional.
Os líderes concordaram que os Jogos Olímpicos de Tóquio poderiam ser um farol de esperança para o mundo durante esses tempos difíceis e que a chama olímpica poderia se tornar a luz no fim do túnel em que o mundo se encontra atualmente. Portanto, foi acordado que a chama olímpica permanecerá no Japão. Também foi acordado que os Jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020".

 

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...