ANO: 26 | Nº: 6495
25/03/2020 Fogo cruzado

Restrições ao comércio devem refletir nas receitas municipais

Foto: Tiago Rolim de Moura

Empresas de diferentes ramos estão com atividades suspensas nas cidades da região
Empresas de diferentes ramos estão com atividades suspensas nas cidades da região

Os decretos de calamidade adotados pelos municípios da região, restringindo o funcionamento de empresas para conter a disseminação do coronavírus (Covid-19), deve gerar impactos nas receitas municipais. A arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que incide justamente sobre atividades de comércio, prestações de serviço específicas e em industrializações de produtos, por exemplo, começa a apresentar sinais desfavoráveis.
Os repasses estaduais e federais representam, em média, 40% do total das receitas dos municípios gaúchos. O ICMS sozinho responde por metade, seguido do Fundo de Participação dos Municípios (16%, que é federal) e do Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). As prefeituras das ainda avaliam os possíveis impactos, mas já estimam perdas.
O prefeito de Aceguá, Gerhard Martens (doutor Geraldo), do PSDB, projeta impacto negativo. “Ainda não temos como quantificar. Sabemos, hoje, que os repasses do governo federal e do governo estadual devem cair em torno de 20%. Mas vamos pedir a Deus para que nos proteja desta tão temida epidemia”, disse.
Em Candiota, o prefeito Adriano dos Santos, do PT, destaca que a prefeitura já registrou queda de R$ 20 mil na arrecadação do ICMS. O Executivo deve realizar uma reunião na quarta-feira, 25, para tratar justamente sobre os impactos da crise provocada pelo coronavírus na economia do município.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...