ANO: 26 | Nº: 6576

Dilce Helena Alves Aguzzi

dilcehelenapsicologa@gmail.com
Psicóloga
28/04/2020 Dilce Helena Alves Aguzzi (Opinião)

Nossas pequenas felicidades

Gosto muito de utilizar os recursos da arte terapeuticamente, tanto em função de seus aspectos libertadores e não castradores como também pelo prazer e a satisfação que um poema ou música causam instantaneamente numa pessoa quando há identificação. De tempos em tempos sinto a necessidade de fazer minha versão e propor aos meus pacientes que façam a sua de um poema de Bertolt Brecht intitulado "Felicidades".
Em momentos de liberdade e felicidade é muito fácil reconhecer o que nos faz bem, o que nos deixa felizes. Entretanto na limitação e na dificuldade é importantíssimo buscar descobrir quais são as pequenas alegrias que nos mantém de pé. Este exercício nos dá força e o mínimo senso de humor ou estético para enxergar as belezas da vida, as lições do momento e continuar para além da fase difícil nos levando para frente, mais fortes e mais sábios do que entramos.
O momento atual nos faz repensar muitas coisas desde a forma como nos relacionamos com o mundo e seus recursos, nosso jeito de consumir, até a maneira como nos comunicamos com quem convivemos e amamos. Tudo mudou rápida e arbitrariamente nos fazendo rever e valorizar algumas coisinhas bastante simples que talvez nem fossem percebidas...
Aqui esta a minha versão pandêmica de Felicidades, não veja nisso presunção alguma além da busca por inspiração e exercício de gratidão. Gostaria muito que você leitor tentasse fazer a sua.

Felicidades
O ar entrando e saindo livremente de meus pulmões, o pulsar da vida
Os livros queridos, próximos, rabiscados e com páginas dobradas
Velhos bilhetinhos, cartas de amor e cartões de antigos aniversários
Notícias boas
O tempo a nosso favor
O vento, as árvores, os raios de sol, a música
Um banho quente e sem pressa
Lençois limpos e cheirosos
Refletir, relacionar ideias, ser alento e amparo
Cheiro de material escolar e livros novos
Aroma de café, xícara de chá
Saber que alguém pensou em mim com carinho
A gargalhada franca de uma criança pequena
Saber que pessoas amadas estão bem

Felicidades (Bertolt Brecht)
O primeiro olhar da janela de manhã
O velho livro perdido e reencontrado
Rostos animados
A neve, a sucessão das estações
Jornais. O cachorro. A dialética
Tomar banho, nadar um pouco
A música antiga
Sapatos macios
Compreender
A música nova
Escrever, plantar. Viajar, cantar
Ser camarada

 

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...