ANO: 26 | Nº: 6590
05/05/2020 Esportes

Em plena forma, Chiquinho Resende pretende jogar até os 40 anos

Foto: Renata Medina/Especial JM

Jogador planeja atuar por mais duas temporadas
Jogador planeja atuar por mais duas temporadas
Na série de entrevistas sobre a rotina dos atletas bajeenses que estão espalhados pelo Brasil, o personagem desta edição é o meia Chiquinho Resende. Aos 38 anos, o jogador segue em plena forma e ainda pretende estender por mais dois anos a carreira. Embora suas raízes sejam originadas na Rainha da Fronteira, seus melhores momentos foram e são pelo Inter de Santa Maria. Inclusive, construiu família e fixou residência na Boca do Monte, o que comprova a forte ligação que criou com a cidade. Mesmo assim, Chiquinho pode ser considerado um dos destaques que foram revelados pelo futebol bajeense no século XXI. Por telefone, o meio-campista conversou com o Jornal MINUANO sobre vários assuntos, desde a situação pandemia até o vínculo com Santa Maria.

A espera da Medida Provisória

Enquanto o futebol não retorna, Chiquinho tem estabelecido uma rotina diária de treinamentos. Todo o material é supervisionado pela comissão técnica do Inter-SM. "Eles nos passaram um protocolo de exercícios, através de vídeo aulas. Tentamos executar da melhor forma possível, nos espaços que temos em nossos lares. Buscamos manter a condição física, mas claro que não é a ideal. O que tentamos é minimizar as perdas para quando houver o retorno nós possamos estar mais adaptados para os novos trabalhos", comenta.
Sobre o vínculo com o Inter-SM, Chiquinho afirma que o clube tem mantido contato frequente com os atletas. Inclusive, há uma articulação para que os jogadores sejam enquadrados na Medida Provisória 936/20 do governo federal que instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. A decisão permite os empregadores a reduzirem, temporariamente, salários e jornadas, por até 90 dias, ou suspender contratos de trabalho, em até 60 dias, com direito à estabilidade temporária do empregado e recebimento de benefício emergencial pago pelo governo. "Sabemos das dificuldades que a pandemia vêm causando, e nos clubes de futebol não foi diferente. A maioria deles adotou a Medida Provisória. Alguns deles sanaram o mês de março; outros sanaram apenas os dias trabalhados. Até semana passada, o contato tinha sido diário com atletas e comissão técnica. Estamos esperando o resultado dessa articulação", enfatiza.

Suspensão da Divisão de Acesso

A previsão do presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Luciano Hocsman, é de que a Divisão de Acesso retorne em agosto. Até a parada, foram cumpridas três rodadas. O colorado de Santa Maria está em segundo lugar no grupo B, com uma vitória, dois empates e nenhuma derrota. Na estreia, venceu em casa o São Gabriel, por 1 a 0. Depois, obteve dois empates fora de casa, com Avenida (1 a 1) e Guarany (2 a 2).
Se a previsão de Hocsman se confirmar, Chiquinho revela que a intenção da diretoria do Inter-SM é de que os treinamentos sejam retomados no dia 19 de julho. Entretanto, este é um cenário que está diariamente passível de mudanças, visto que qualquer movimentação dos clubes depende de aval das organizações públicas de saúde. "Num primeiro momento foi nos passada essa data, porém, pode ser modificada. Não sabemos o que vai acontecer no futuro. A gente fica fica na expectativa de que o retorno possa ser antes, mas, precisamos respeitar as decisões, pois são medidas protetivas. Esse vírus atingiu toda nossa nação. Existe uma disseminação muito grande, por isso, temos que ter cautela nesse momento. São vidas que estão em jogos. Quanto mais nos prevenirmos, melhor será para todos. Ficamos no aguardo dos órgãos responsáveis, que estão nos auxiliando para encontrarmos a melhor maneira de como irá acontecer esse retorno", observa.

Plano é estender a carreira

Tecnicamente, Chiquinho Resende segue de forma unânime como camisa 10 e referência do time. A história com o colorado de Santa Maria começou a ser escrita em 2007, quando a equipe chegou até as semifinais do Gauchão. Entre idas e vindas, esta é a sétima temporada que atua pelo clube. As demais foram em 2007, 2008, 2015, 2017, 2018, 2019 e 2010.
Entretanto, os 38 anos de idade colocam em dúvida o futuro do atleta. Mas isso é algo que ainda não passa pela cabeça de Chiquinho. Inclusive, ele planeja jogar mais dois anos, ou seja, até os 40. "Estou me sentindo muito bem, apesar da idade, que é considerada por muitos, pela nossa cultura, como avançada dentro do futebol. Mas eu fiz uma grande pré-temporada neste ano. Infelizmente, o que me prejudicou um pouco foi ter sofrido uma lesão no último amistoso. Isso atrapalhou meu desempenho nessas três rodadas que foram realizadas, pois não atuei de forma 100%. Joguei sem treinar direito", ressalta.
Para este ano, o Inter-SM investiu em vários atletas jovens. Por isso, o papel de Chiquinho é fundamental no elenco. E é nessa ideia que o bajeense se apega para desempenhar seu futebol, dentro e fora de campo. "Com minha experiência, tenho ajudado os mais jovens. Esperamos manter o bom rendimento quando retornarmos. É claro que fica difícil fazermos projeções, pois não sabemos o que pode acontecer. Mas meu projeto é jogar mais dois anos se meu corpo aguentar. Vivendo dia após dia, jogo após jogo e competição após competição", analisa.

Gratidão com a comunidade santa-mariense

Pelos serviços prestados ao Inter, Chiquinho é considerado um cidadão santa-mariense. O vínculo se estendeu ao ambiente do futebol para vínculos pessoais. "Sou natural de Bagé, minha mãe e irmãs ainda moram aí. Eu vim para Santa Maria em 2007, onde comecei a construir minha história no Inter. Logo, acabou se tornando a minha cidade, onde resido junto da minha esposa e meus filhos. Ela é natural de Santa Maria. Isso acabou facilitando as coisas para que eu decidisse fixar moradia por aqui. O reconhecimento que tenho por parte da comunidade me deixa muito motivado e feliz, principalmente pelas conquistas que tive", pontua.
A esperança do meia bajeense "mais santa-mariense" é de que esses últimos dois anos de carreira que estão planejados sejam os melhores possíveis. "Quero continuar deixando esse legado para as pessoas que acompanham meu trabalho. Com muita humildade e responsabilidade, vou procurar me esforçar o máximo possível para obter novas conquistas. E obrigado pelo espaço. Quero aproveitar para mandar um grande abraço para todos os bajeenses, familiares e amigos que residem aí. Sucesso a todos", conclui.

Mais imagens

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...