ANO: 26 | Nº: 6525

José Artur Maruri

josearturmaruri@hotmail.com
Colaborador da União Espírita Bajeense bagespirita.blogspot.com.br
23/05/2020 José Artur Maruri (Opinião)

Vida, dádiva divina

Haroldo Dutra Dias, na obra Família, Vida e Paz, obra editada pela Federação Espírita de Goiás, traz belíssimas reflexões acerca da vida. Em texto, o reconhecido orador espírita, cita Emmanuel, ao colocar que a verdadeira humildade é grandeza interior, vestida de simplicidade, oportunidade em que fica esclarecida a lição de Jesus acerca dos chamados "pobres de espírito", senão vejamos: "Jesus, louvando os pobres de espírito, não tecia encômios à ignorância, à incultura, à insipiência ou à nulidade, e sim exaltava os corações simples que descobrem na vida, em qualquer ângulo da existência, um tesouro de bênçãos, com o qual é possível o enriquecimento efetivo da alma para as alegrias da elevação. "Pobres de espírito", na plataforma evangélica, significa tão somente "pobres de fatuidade, de pretensos destaques intelectuais, de supostos cabedais de inteligência". É necessário nos acautelemos contra a interpretação exagerada do texto, em suas expressões literais, para penetrarmos o verdadeiro sentido da lição. A pobreza e a pequenez não existem na obra divina. Constituem apenas posições transitórias criadas por nós mesmos, na jornada evolutiva em que aprenderemos, pouco a pouco, sob o patrocínio da luta e da experiência, que tudo é grande no universo de Deus. Todos os seres, todas as tarefas e todas as coisas são peças preciosas na estruturação da vida".
Para Dias, nas palavras de Emmanuel ficam ressaltadas o enriquecimento da alma, na qual se reflete a grandeza de Deus. Ele cita novamente Emmanuel para fundamentar a força que confere significado à nossa romagem terrena: "A força das forças, porém, aquela que sublima os astros e alimenta motores para o bem, que encaminha a autoridade para a misericórdia e aciona os braços no serviço aos semelhantes – a única que penetra a alma e lhe orienta os impulsos na direção da felicidade e da paz, da elevação e do entendimento – é a força do amor".
Nesse sentido, cabe a nós conferir sentido e singularidade ao que amamos: "Crê no poder divino que te criou para a imortalidade e, no silêncio do trabalho incessante no bem e que foste trazido, ergue-te para a luz soberana, na certeza de que, através da integração com o amor que nos rege os destinos, chegarás, sob a generosa proteção do celeste Pomicultor, à frutificação da verdade felicidade .
Enfim, nas palavras de Haroldo Dutra Dias, "nossa vida é reflexo do nosso pensamento, composto de emoções e ideias, razão e sentimento, levando-nos a imortalizar ou recapitular experiências, até que um dia nos identifiquemos com a divina sabedoria, de modo a criar a vida plena, repleta de amor, que constitui a vida do próprio Deus, nosso eterno Pai".

(Referências: Família, vida e paz. Diversos autores. Editora FEEGO. Vida – dádiva divina. Haroldo Dutra Dias. P. 37-41).

José Artur M. Maruri dos Santos
Colaborador da S. Espírita León Denis e União Espírita Bajeense
josearturmaruri@hotmail.com

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...