ANO: 26 | Nº: 6590
16/06/2020 Segurança

Golpes de estelionato crescem em Bagé

Foto: Tiago Rolim de Moura

Somente no final de semana, foram registradas sete ocorrências do delito na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA)
Somente no final de semana, foram registradas sete ocorrências do delito na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA)

As estatísticas estaduais apontam que, em maio deste ano, foram registrados 4.017 ocorrências de estelionato em todo o Rio Grande do Sul. Em comparação ao ano passado, quando ocorreram 2.301 ocorrências deste tipo, o aumento é significativo. Em Bagé, segundo os dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado, os “golpes” aumentaram. Foram registrados este ano, no mês de maio, 51 ocorrências, sendo que em maio de 2019 foram 15 boletins deste tipo de crime.

De acordo com o delegado Luis Eduardo Benites, as investigações destes fatos são distribuídas nas duas delegacias distritais. “Se o crime ocorreu na região da primeira delegacia, ficará a cargo dos investigadores daquela região; já se foi na segunda, será para eles”, explicou.

O crime de estelionato significa, segundo o Código Penal Brasileiro, crime contra o patrimônio, sendo definido como "obter, para si ou para outro, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento”, como um golpe.

Neste final de semana, foram registrados sete ocorrências deste fato, segundo dados da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA), sendo que, em todas ocorrências, as vítimas relatavam que alguém teria sacado o valor do auxilio emergencial (valor que o Governo Federal está distribuindo para desempregados, autônomos e mulheres chefe de família devido a pandemia) em seu nome.

Os golpes seriam realizados assim: os criminosos se aproveitaram do período entre a data de liberação e a de pagamento para a troca de dados cadastrais, como e-mail e número de telefone. Com isso, ao ir à uma agência na data agendada para o saque, as pessoas beneficiárias legais, percebem que não têm mais o valor depositado porque o dinheiro já foi sacado.

Há diversos casos destes tipos de crime. No mês passado, um acusado de estelionato estava indo na residência das vítimas e conseguindo pegar seus dados e cartões, se fazendo passar por um funcionário do banco, fazendo no mínimo quatro vítimas, em Bagé.

Caixa auxilia para evitar crime envolvendo auxílio emergencial

Em nota, a Caixa Econômica Federal informa que o setor de segurança do banco realiza o monitoramento e mapeamento de ocorrências, em colaboração com os órgãos de Segurança Pública, com o objetivo de coibir ocorrências de fraude. O banco disponibiliza orientações de segurança em seu portal da internet (http://www.caixa.gov.br/seguranca/Paginas/default.aspx) e em suas agências, com o objetivo de alertar seus clientes quanto a golpes, seja por e-mails spam, sites falsos ou por telefone.
Quanto às contestações de saques, podem ser formalizadas pelo beneficiário supostamente prejudicado, em qualquer agência da Caixa. Após análise, nos casos em que for comprovado eventual saque fraudulento, o beneficiário será ressarcido.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...