ANO: 26 | Nº: 6542
30/06/2020 Fogo cruzado

PSL amplia quadro de filiações nos municípios da região

Foto: Jornal Minuano

O Partido Social Liberal (PSL) ampliou a representatividade na região, em 2020. A maior variação foi registrada em Bagé, onde a sigla tinha 106 filiados, em maio do ano passado, e agora registra 161 filiações, de acordo com balanço do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O quadro inclui o vice-prefeito, Manoel Machado, que deixou o PSDB, assinando ficha no PSL em setembro de 2019.
A legenda também cresceu em Candiota, passando de duas para cinco filiações, em Aceguá, pulando de três para 16 filiados, em Dom Pedrito, saltando de duas para 22 filiações entre maio de 2019 e maio de 2020. O partido agora também tem representações em Hulha Negra, com cinco filiados, e em Lavras do Sul, com dois. Até maio do ano passado, o PSL não tinha filiados nessas duas cidades.


Crescimento no Estado
Em maio de 2014, o partido tinha apenas 1.861 filiados em 42 cidades gaúchas. No ano passado, o PSL contabilizava 4.594 filiados no Rio Grande do Sul, distribuídos em 174 municípios. E em maio deste ano, o partido alcançou 16.211 filiações em 396 cidades do Estado. O 24º contingente está em Bagé. No ranking de filiações, a cidade está atrás de Porto Alegre (1.974), Canoas (1.024), Caxias do Sul (600), Sapucaia do Sul (423), Novo Hamburgo (409), Cachoeirinha (392), Santa Maria (372), Gravataí (364), Viamão (359), Nova Prata (339), Santo Ângelo (331), Pelotas (317), Passo Fundo (299), Rio Grande (234), Alvorada (218), Uruguaiana (215), Bento Gonçalves (2013), Cachoeira do Sul (206), Sarandi (205), São Leopoldo (194), Sapiranga (173), Alegrete (170) e Santa Cruz do Sul (168).


Cenário eleitoral
Fundado em 1994, o PSL só obteve registro definitivo em 1998, sob a presidência de Luciano Bivar. O pleito presidencial de 2018, quando Jair Bolsonaro se elegeu pela sigla, foi o segundo do partido. Em 2006, o próprio Bivar havia disputado o cargo, tendo Américo de Souza como candidato a vice-presidente. Em Bagé, Uidson Ricardo Santos dos Santos (Zoinho) disputou a Prefeitura pela legenda em 2016.
A candidatura Zoinho foi indeferida pela Justiça Eleitoral porque o diretório da sigla não estava vigente. Em 2020, porém, o partido pode retornar ao pleito, com Machado, que já confirmou pré-candidatura. Machado disputou a prefeitura em 2012, pelo PSDB, e exerceu a função de chefe do Executivo temporariamente, durante afastamento do prefeito Divaldo Lara, do PTB, com quem rompeu politicamente em janeiro.
Recursos não devem faltar para o partido, que vai receber, em âmbito nacional, cerca de R$ 199 milhões em recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, estabelecido por lei federal. Apenas o Partido dos Trabalhadores (PT), que tem direito a mais de R$ 201 milhões, receberá montante maior do que o do PSL, em 2020.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...