ANO: 26 | Nº: 6590

Padre Jair da Silva

pejairs@yahoo.com.br
Pároco da Catedral
11/07/2020 Padre Jair da Silva (Opinião)

Somos uma missão

Ninguém nasceu por acaso, ninguém está no mundo por estar, para simplesmente ocupar um espaço. "Cada um de nós é uma missão no mundo", nos recorda o Papa Francisco. Ao criar todas as coisas Deus nos deu inteligência e capacidade para sermos colaboradores d'Ele com a criação. Para tanto Ele nos plantou no jardim do mundo como árvores capazes de produzir bons frutos. Por isso sempre é bom se perguntar: Como está a árvore da minha vida? Há frutos nela, ou apenas folhas? Nós não podemos nos comportar na vida como uma árvore que ocupa inutilmente um lugar neste mundo, que apenas usufrui dos benefícios, mas não está disposta a dar a sua contribuição em favor da humanidade. Se nós nos limitamos a ser uma árvore que ocupa um espaço no mundo e que se nega a transformar o meio em que nos encontramos, necessitamos urgentemente de uma radical mudança.
Como é maravilhoso quando somos verdadeiras árvores frutíferas, exercendo com todas as forças a nossa missão de produzir muitos e bons frutos. Por outro lado, como é triste quando somos verdadeiros chupins. O chupim é conhecido pelo habito de colocar seus ovos no ninho de outras aves, para que as mesmas possam chocá-los, criá-los e alimentá-los como filhotes. Por isso acabou virando sinônimo de aproveitador.
É triste mas há muita gente que não se envolve com nada, não produz um fruto sequer, mas se sente no direito de colher e comer os frutos produzidos pelos outros. Esta realidade nós encontramos em todos os ambientes da sociedade. Há hoje uma crise enorme do voluntariado, ninguém quer compromisso. As desculpas são sempre as mesmas: "eu não tenho tempo, eu não tenho condições..."
A falta de consciência da nossa existência-presença no mundo, talvez seja hoje acompanhada ou alimentada por uma descrença, um marasmo, uma decepção, uma perda de sentido. Perguntemos aos professores e educadores se ainda acreditam na sua missão de educar, de formar a consciência das novas gerações e de ajudá-las a darem uma resposta de justiça, bondade e verdade a um mundo cada vez mais ferido pela injustiça, maldade e mentira. Perguntemos aos pregadores do Evangelho se ainda acreditam na sua missão de converterem corações de pedra em corações de carne, de despertarem nos seus ouvintes o desejo de se levantarem das sombras da morte e de caminharem na direção da luz da vida. Perguntemos aos pais ou responsáveis pelas crianças de hoje se ainda acreditam na sua missão de anunciar ideais e de propor valores a uma geração que escolhe fechar-se em si mesma, atrofiando-se nas suas emoções e não indo além dos interesses do seu próprio ego.
Na parábola do semeador, Jesus nos ensina que muitas sementes que semeamos cairão à beira do caminho, outras em terreno pedregoso, outras, ainda, no meio dos espinhos, mas não podemos esquecer que também existe terra boa, onde muitas sementes cairão e produzirão muitos e bons frutos. A missão de todos, do educador, do pai, da mãe, do pregador do evangelho é semear. Por isso, antes de desanimar ou entristecer-se pelos frutos que ainda não vieram é preciso alegrar-se pelas sementes que já conseguiram lançar no coração das pessoas que lhe são confiadas.
Jesus, o grande Semeador, também viveu momentos fortes de decepção com o ser humano, mas uma coisa o ajudou a não abandonar sua missão de Semeador: a fé na força da semente. Ele tinha consciência daquilo que Deus nos fala pelo profeta Isaías: "a palavra que sair de minha boca não voltará para mim vazia; antes, realizará tudo que for de minha vontade e produzirá os efeitos que pretendi, ao enviá-la" (Is 55,11). Essa convicção sempre fez Jesus avançar e aprofundar-se na sua missão de Semeador. Que tenhamos sempre a convicção, nós somos apenas semeadores, a semente é divina, é eficaz.

Pe. Jair da Silva
pejairs@yahoo.com.br
(55) 997051832

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...