ANO: 26 | Nº: 6572

Dilce Helena Alves Aguzzi

dilcehelenapsicologa@gmail.com
Psicóloga
01/09/2020 Dilce Helena Alves Aguzzi (Opinião)

Do que as mulheres gostam

Se os homens soubessem de verdade do que as mulheres gostam não perderiam tempo com inseguranças, com medo, com tentativas esdrúxulas de parecer mais forte, mais experiente, mais sexy, mais inteligente, mais elegante, mais rico, mais isso, mais aquilo... Quando um homem compreende o que uma mulher espera de seu companheiro, ele simplesmente tenta ser autêntico e verdadeiramente procura demonstrar apoio, SEMPRE, mesmo que não concorde com a opinião dela. Porque é possível não partilhar do mesmo ponto de vista, das mesmas expectativas, ansiedades e sentimentos e, ainda assim, ser capaz de apoiar, estar ao lado demonstrando em gestos, palavras ou simplesmente na presença amiga: "Olha estou do teu lado, não concordo muito com tudo isso ou não vejo as coisas do mesmo jeito que tu, mas te ofereço meu apoio..." Nossa! Essas palavras ou gestos têm um poder quase sobrenatural de acalmar, de serenar, de trazer de volta a tranquilidade e o bom senso. Tudo isso porque nosso comportamento tem raízes em nosso desenvolvimento enquanto espécie durante nossa jornada para nos mantermos vivos.
Os antropólogos há muito desvendaram como os gêneros se desenvolveram de modos diferentes, entretanto complementares entre si. Nos períodos mais remotos de nossa existência o homem e sua força física eram responsáveis por prover o bando trazendo alimentos através da caça e faziam isso em grupos. Nesses grupos desde pequeno o garoto aprendia a ser agressivo para sobreviver, confiar nos instintos, oferecer sua coragem aos amigos e saber fazer silêncio para não afugentar a caça.
Já às mulheres cabia o papel da preparação dos alimentos, confecção de agasalhos além do cuidado das crianças e mais velhos. O grupo feminino desenvolveu a comunicação como forma de apoio entre si nas longas esperas pelo grupo masculino. Comunicar-se e tentar compreender umas às outras era uma forma gratificante não só de passar o tempo, mas também de sobrevivência, pois perceberam que um grupo mais unido é, igualmente, mais forte.
De lá pra cá essas duas habilidades, masculina e feminina, desenvolveram-se tanto que tivemos momentos de nossa história em que parecia que, homem e mulher, um queria eliminar o outro...
Hoje vivemos um momento mais tranquilo, contudo, ainda há muito desentendimento, muita mágoa e incompreensão mesmo entre casais que se amam. Percebo que poucas coisas geram mais mágoa e raiva, muitas vezes reprimidas do que criticar em público, repreender, desmentir, desqualificar a importância da angústia de alguém. E este comportamento muitas vezes vem de homens que não sabem como ser solidários com as dores ou conflitos de sua companheira.
Volto agora ao ponto onde iniciei esta coluna. Alguns homens ainda não sabem que aquilo que as mulheres mais esperam de seu parceiro não é um super-homem "resolvedor" de problemas ou alguém que concorde com ela em tudo. Mas, sim, encontrar nele aquele apoio ancestral, a volta ao grupo que aceita, apoia, escuta, acolhe e tenta compreender. Para a mulher sentir-se apoiada emocionalmente, e isso tem um peso crucial, tudo o que ela quer é sentir sua solidariedade nos momentos mais comuns e muitas vezes irritantes do dia-a-dia.
Você duvida disso? Então, na próxima oportunidade que não souber como agir procure simplesmente oferecer seu sincero apoio emocional. Garanto, vai demorar menos tempo que o gasto para fazer as pazes, além de não tirar pedaço de ninguém!


"Poucas coisas geram mais mágoa e raiva,
muitas vezes reprimidas, que criticar em público"

Deixe seu comentário abaixo

Outras edições

Carregando...