MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Rossetto defende desenvolvimento do polo carboquímico de Candiota

Publicada em 26/06/2018
Rossetto defende desenvolvimento do polo carboquímico de Candiota | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Pré-candidato organiza um plano estadual de segurança pública

O pré-candidato do PT ao governo do Estado, Miguel Rossetto, define a proposta de consolidação do polo carboquímico de Candiota como uma meta estratégica para o Rio Grande do Sul. “Tenho muita confiança na viabilidade. É um projeto estratégico para a região e para a economia gaúcha, que precisa de energia a custo competitivo. O gás é uma alternativa possível e necessária”, define.
Para Rossetto, a Companhia Riograndense de Mineração (CRM) tem papel decisivo neste planejamento. Ele destaca, porém, que a Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás) e a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) também são estratégicas para o planejamento do setor. “E é por isso que devem permanecer estatais”, pontua.
O Polo Carboquímico do Rio Grande do Sul, formado pelos Complexos Carboquímicos do Baixo Jacuí e da Campanha, abrange os municípios de Aceguá, Bagé, Caçapava do Sul, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra e Lavras do Sul. A legislação, na teoria, privilegia a instalação de complexos industriais para a exploração extrativa do carvão e a transformação do recurso em energia ou gás de síntese. O desafio está em concretizar investimentos.

Agenda definida
O setor energético, entretanto, não é a única pauta do petista, que participou de plenárias regionais, durante o final de semana, reunindo mais de 400 pessoas em ato realizado em Bagé, no domingo (na maior agenda de pré-campanha até agora). “Estamos em pré-campanha, preparando um plano de governo. Dois temas organizam a nossa agenda. O primeiro diz respeito a trabalho, emprego e desenvolvimento. O segundo está associado à qualidade dos serviços públicos, com foco na segurança, saúde e educação”, detalha, ao destacar que os debates com as bases, na Campanha gaúcha, acompanhados pelo pré-candidato Lélio Lopes (Lelinho), e pelos deputados Luiz Fernando Mainardi, Paulo Pimenta e Dionilso Marcon, servem para absorver demandas.

Questão salarial
No terreno dos serviços públicos, Rossetto defende o fim do parcelamento de salários. “Uma escola pública tem que ser grande espaço de aprendizado. Mas isso passa por respeitar professores e pagá-los em dia. Pagar salário em dia é prioridade. Governar não é fácil. Significa fazer escolhas. E pagar em dia é uma destas escolhas”, pontua.

Pauta local
O desenvolvimento de agroindústrias, na visa do pré-candidato, representa uma alternativa para a Campanha gaúcha. “Durante o final de semana, visitamos assentamentos na região (em um roteiro que incluiu Aceguá, Bagé, Candiota, Dom Pedrito e Hulha Negra). Verificamos experiências muito importantes de renda para produtores e municípios. Ficou claro que precisamos de programas que garantam a remuneração ao produtor de leite, por exemplo. Mas ficou ainda mais evidente que toda a diversificação experimentada pela região, com a uva e as oliveiras, é muito importante. Ouvimos de lideranças regionais que a agroindústria pode agregar valor. O que precisamos é fortalecer os investimentos no setor”, avalia.

Segurança
Rossetto adianta que organiza um plano estadual de segurança pública. O planejamento, ainda segundo o petista, deve privilegiar novos investimentos. “Temos presídios interditados e cinco mil brigadianos a menos do que tínhamos há quatro anos. A Polícia Civil tem o menor efetivo dos últimos 30 anos. Nossa população precisa voltar a viver em paz. É preciso recompor o efetivo das nossas instituições, inclusive do IGP (Instituto-Geral de Perícias) e da Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários). Presídio tem que ser espaço de contenção do criminoso e de ressocialização. Hoje, muitos deles são espaços de organização das facções criminosas”, critica.

Encontro de contas
O pré-candidato petista acredita que o Rio Grande do Sul tem a chance de solucionar, em definitivo, a questão da dívida com a União. “Podemos resolver através da compensação das perdas com a Lei Kandir. Recentemente, o STF (Supremo Tribunal Federal) definiu que o governo federal é devedor dos Estados exportadores. Temos, portanto, pela primeira vez, uma condição legal, favorável ao Estado”, avalia, ao defender o diálogo pela aprovação de uma proposta que tramita em Brasília. “Em maio, uma comissão especial do Congresso aprovou um projeto que é bom para o Rio Grande do Sul. Estamos falando em R$ 3,9 bilhões por ano, sendo 800 milhões para as prefeituras. A ideia é buscar um grande encontro de contas, porque o Estado é credor e devedor. Hoje temos está condição legal de trabalharmos para defendermos o que é nosso”, resume.
Para Rossetto, que foi vice-governador, na chapa encabeçada por Olívio Dutra, e ministro do Desenvolvimento Agrário e do Trabalho e Previdência Social, nos governos de Lula e Dilma, o encontro de contas entre o que Rio Grande do Sul tem a receber e o que deve vai permitir que o Estado encerre o capítulo da dívida. “E o conjunto de iniciativas que propomos, envolvendo o combate à sonegação, o cuidado com os gastos públicos e a solução da dívida, vai permitir a retomada da capacidade de investimentos”, projeta.

Debate de conteúdo
Mainardi, que acompanhou Rossetto nas plenárias, acredita que a pré-candidatura do petista tenciona um debate de ‘conteúdos programáticos’. “A pré-candidatura de oposição é a do Rossetto. Ela representa um programa que se contrapõe ao modelo que está no poder. Pelo menos três pré-candidatos, aliás, representam o compromisso com as privatizações, por exemplo. E somos oposição a isso”, reforça.
Na avaliação do deputado, que critica a extinção de todos os programas criados pelo governo de Tarso Genro, ‘as pessoas começaram a compreender que havia um exagero nas críticas ao PT, embora em alguns momentos elas fossem justas’, entendendo que a sigla pecou, ‘como os demais partidos’. “Indo para o que importa, que é a qualidade dos candidatos, teremos programa para apresentar à sociedade”, garante.

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online