MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Segurança

Júri condena apenado por homicídio no interior do Presídio Regional

Publicada em 22/02/2019
Júri condena apenado por homicídio no interior do Presídio Regional | Segurança | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Lucas Daniel Pereira Barbosa, de 24 anos, foi sentenciado a oito anos e seis meses em regime fechado

Acusado de ter matado, em outubro de 2017, Igor Silva, de 21 anos, a golpes de estoque, no interior do Presídio Regional de Bagé, Lucas Daniel Pereira Barbosa, de 24, foi a júri popular, ontem. Ele foi condenado há oito anos e seis meses de prisão, por homicídio simples, em regime fechado, sem direito de recorrer em liberdade.

Durante o depoimento, Barbosa relatou que estava preso, desde 2015, e que era amigo da vítima. “Treinávamos na mesma academia. Em 2016, comecei a namorar essa menina e, lá no presídio, os presos diziam que ela estava me traindo com o Igor. E um dia ela me confirmou. Eu terminei o relacionamento e falei com ele em uma rede social e ele mandou fotos e vídeos com ela e também uma com uma arma dizendo que iria me matar”, contou.

Ainda réu, ele disse que um dia antes do crime, passou pela cela da vítima, que teria lhe provocado, pego uma pedra e o ameaçado. “Como ele me ameaçou eu peguei um estoque (faca artesanal) e guardei. No outro dia, no pátio, ele apareceu com um facão. Começamos a discutir e eu, para me defender, pois a faca dele era maior, acabei desferindo diversos golpes. Depois que ele caiu, eu levei o estoque e joguei para o outro lado do muro. Voltou uma vez e joguei de novo, lavei as mãos e o rosto e depois perguntei para os agentes como ele estava e daí me disseram que ele tinha morrido. Eu agi por legítima defesa, ele me atacou e eu me defendi”, argumentou ao alegar legítima defesa.

 

Galeria de Imagens
Leia também em Segurança
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br