MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Segurança

Dupla é condenada pela morte de Djavan

Publicada em 24/09/2019
Dupla é condenada pela morte de Djavan | Segurança | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Modernel foi sentenciado há 16 anos de prisão e dos Santos há 15 anos, ambos em regime fechado

Alberto Dos Santos Modernel, 36 anos, e Maurício Rodrigues dos Santos, 25, foram condenados a 16 e 15 anos de prisão, respectivamente, em regime inicial fechado, sem direito a recorrer em liberdade, pela morte de Djavan Fernandes dos Santos, registrada no dia 26 de fevereiro de 2018, na rua Marcílio Dias.

Os dois réus foram ouvidos durante a audiência realizada durante a terça-feira. O primeiro a ser chamado foi Maurício Rodrigues dos Santos, que preferiu se manter calado, mantendo o que havia falado na audiência de interrogatório.

Durante a primeira audiência, o réu falou que avistou o Djavan, que era seu primo, e com quem tinha desavença e viu que ele estava brigando com outro homem, que ele não sabia se tratar de Maurício. “… eu não sei porque me envolvi na briga, puxei uma faca e golpeei ele. Estava drogado, bêbado, depois corri um pouco até o canteiro e segui caminhando”, falou na audiência de interrogatório.

Já Modernel falou que era amigo de Djavan e que não pretendia matar ele, que apenas andava com ele na ocasião. “Tivemos um tempo envolvidos com crack, na drogadição. Ele era um dos únicos que podia frequentar a minha casa e tinha me roubado um moletom, por isso brigamos”, contou. Também durante o relato, ele falou que por este motivo (furto) agrediu o Djavan. “Dei um soco nele, cotovelaços e o Maurício apareceu e esfaqueou ele. Depois eu fui embora caminhando, não me escondi”, contou.

O réu ainda foi questionado, pela promotora Marlise Martino Oliveira, se reconhecia um homem nas imagens que foram capturadas pelas câmeras de videomonitoramento, mas Modernel não o reconheceu. Após os debates, por volta das 15h45min, a juíza Naira Melkis Caminha proferiu a sentença.

Galeria de Imagens
Leia também em Segurança
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online