MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Comissão retoma debate sobre federalização da rodovia Miguel Arlindo Câmara

Publicada em 02/12/2019
Comissão retoma debate sobre federalização da rodovia Miguel Arlindo Câmara | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
MAC interliga os bairros de Candiota

O deputado Fábio Schiochet, do PSL de Santa Catarina, assumiu a relatoria do projeto de lei que viabiliza a federalização da rodovia Miguel Arlindo Câmara (MAC), via que interliga os bairros de Candiota, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados. O parlamentar pode apresentar parecer contrário ou favorável à medida. A discussão na CCJ encerra a tramitação da matéria.
Em novembro do ano passado, a Comissão de Viação e Transportes aprovou o relatório do deputado Jaime Martins, do PROS de Minas Gerais, favorável à proposta de mudança na legislação que dispõe sobre o Sistema Federal de Viação (SFV). Na prática, a federalização do trecho de 13,3 quilômetros, entre a BR-293 e a Usina Presidente Médici, da Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE), integra um pacote de federalizações, apresentado por oito parlamentares, em 2017.
Em seu relatório, Martins concorda com a ‘necessidade de que o Congresso Nacional venha a debater e instituir, o quanto antes, um novo SFV’. O parlamentar destaca a realização de reuniões com representações do Executivo, visando construir uma solução pacífica. Ele apresentou um substitutivo ao projeto. O novo texto, que é avaliado pela CCJ, cria o Conselho Nacional de Viação (Convia), com objetivo de estudar, propor, avaliar e aprovar alterações nas relações de rodovias que devem ser federalizadas. “Posição praticamente unânime nas audiências públicas e nas contribuições recebidas é a de que muitas vezes a necessária agilidade na tomada de decisões no âmbito da infraestrutura e logística de transportes se mostra incompatível com a morosidade do processo legislativo formal”, pontua o parlamentar.


Função estratégica
Dentro da hierarquia estabelecida pelo Sistema Nacional, pela redação que tramita na comissão, a MAC poderá assumir o caráter de rodovia de ligação, graças à CGTEE. A lei federal define como rodovia de ligação as estradas 'orientadas em qualquer direção, que ligam pontos importantes de duas ou mais rodovias federais, ou permitem o acesso a instalações federais de importância estratégica, a pontos de fronteira, a áreas de segurança nacional ou aos principais terminais marítimos, fluviais, ferroviários ou aeroviários'.
No caso específico da MAC, a ligação com a usina termelétrica a carvão, que pertence a uma empresa do grupo Eletrobras, do governo federal, viabiliza o novo enquadramento. Hoje, na prática, a estrada não pertence ao município, ao Estado ou à União – condição que dificulta a manutenção da via. A redação destaca que as estradas, ferrovias e portos que podem ser incluídos no Sistema Nacional foram indicados pela Secretaria Nacional de Política de Transportes do Ministério dos Transportes, com base em trabalho desenvolvido entre 2011 e 2012, em conjunto com ministérios, agências reguladoras e órgãos executivos.


Mudança de visão
O Congresso Nacional arquivou a primeira tentativa de federalização da MAC. A discussão iniciou em 2010, antes da operação da Fase C do complexo termelétrico de Candiota, quando o senador Paulo Paim, do PT, tentou incluir a estrada no plano nacional de viação. O petista argumentava, à época, que 'a rodovia já não estava adequadamente mantida para o tráfego' e que sofreria 'uma solicitação maior com a ampliação (da usina), aumentando os riscos para veículos de passageiros e cargas'. O então senador Aloysio Nunes apresentou, em 2014, parecer pela inconstitucionalidade, observando a ausência de estudos técnicos. Outras propostas de federalização foram arquivadas, entre 2011 e 2016. Votações recentes, porém, revelam uma mudança de visão por parte dos parlamentares.
Na semana passada, por exemplo, a CCJ da Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei apresentado pelo governo federal, que permite à Polícia Rodoviária Federal (PRF) atuar na rodovia que de acesso à Penitenciária Federal de Catanduvas, no Paraná. A PR-471 é estadual. A nova legislação a inclui no Plano Nacional de Viação, o que permite sua federalização. E em outubro, a Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado aprovou o projeto que um inclui um trecho rodoviário de 128,8 quilômetros de extensão da RR-319 no mesmo Plano. A rodovia liga as BRs 174 e 433, que passam por áreas indígenas da região Norte de Roraima.

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online