MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Campo e Negócios

Colheita da soja se intensifica e valores recuam

Em 23/03/2021 às 06:03h

por Redação JM

Colheita da soja se intensifica e valores recuam | Campo e Negócios | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Na regional de Porto Alegre, contratos futuros são negociados a R$ 164,00/sc | Foto: Tiago Rolim de Moura

O avanço da colheita de soja no Brasil, a melhora do clima na Argentina e a falta de cota para embarcar o grão nos portos nacionais pressionaram os valores internos e também os prêmios de exportação da oleaginosa na semana passada, conforme indicam pesquisadores do Cepea.

No campo, em Mato Grosso, o baixo volume de chuva no início da semeadura de soja e, depois, o excesso das precipitações na colheita elevaram a quantidade de grãos avariados e com excesso de umidade, o que pode resultar em descontos nos valores pagos. No Paraná, produtores consultados pelo Cepea indicam que um pequeno volume dos primeiros grãos colhidos estava avariado, mas isso não deve impactar na produção total do estado. Já no Rio Grande do Sul, o déficit hídrico e o aumento dos casos de pragas e fungos nas lavouras de soja preocupam agricultores. O estado gaúcho é o que mais apresentou focos de ferrugem asiática nesta temporada, inclusive identificado pela Emater, em recente levantamento.

No Informativo Conjuntural do dia 18, a regional da Emater/RS-Ascar de Bagé relatou que intensificaram-se os sintomas do estresse provocado pela falta de precipitações significativas desde meados de fevereiro. "As lavouras localizadas em solos rasos, com afloramento de pedras ou de menor fertilidade já apresentam plantas amareladas e com desfolha, fator limitante para a recuperação se as precipitações retornarem. As lavouras situadas em coxilhas e com boa estrutura de solo ainda resistem, com perda parcial de folhas no terço inferior", mencionou ao frisar, contudo, que os cultivos em várzeas mantêm o potencial produtivo elevado.

Nas cultivares de ciclo precoce, o processo de maturação acelerou e a colheita avançou, ainda em pequena área. "Os resultados são variáveis; em alguns casos com alta produtividade, como em Maçambará, na Fronteira Oeste, onde as primeiras lavouras colhidas alcançam média de 3.600 quilos por hectare. Em relação ao aspecto fitossanitário, foram encontrados mais focos de ferrugem asiática na Campanha, em Hulha Negra, porém, nada grave", destaca a Emater.

De acordo com o levantamento semanal de preços realizado pela Emater/RS-Ascar no Rio Grande do Sul, a cotação média da soja alcançou R$ 162,46/sc., com redução de 1,15%, em relação à semana anterior. O valor do cereal disponível em Cruz Alta reduziu para R$ 170,00/sc. Na regional de Porto Alegre, contratos futuros são negociados a R$ 164,00/sc.

 

Galeria de Imagens
Leia também em Campo e Negócios
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online