MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Cidade

Diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Correio repercute inclusão do serviço no programa de privatização do governo federal

Em 15/04/2021 às 10:34h
Melissa Louçan

por Melissa Louçan

Diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Correio repercute inclusão do serviço no programa de privatização do governo federal | Cidade | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Serviços de entrega de encomendas, como Sedex, passariam para iniciativa privada Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Através de publicação no Diário Oficial de quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro incluiu os Correios no programa de privatização do governo, após recomendação do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI). O Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), concluiu os primeiros estudos que analisaram modelos de desestatização do mercado postal em outros países e recomendou a empresa para o PND, onde será iniciada a segunda fase dos estudos. O conselho optou pela venda total da empresa, em vez do fatiamento, que poderá ser a venda majoritária (em que o Estado continua como acionista minoritário) ou venda de 100% das ações.

A segunda fase dos estudos será implementada ao longo deste ano pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e detalhará o modelo a ser adotado para a desestatização do setor postal. O governo não apresentou cronograma, mas estão previstos debates com a sociedade, com investidores e com empregados e a aprovação pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre os aspectos da modelagem e os documentos jurídicos.

A venda dos Correios depende da aprovação, pelo Congresso Nacional, do projeto de lei (PL) que quebra do monopólio estatal e regulamenta a abertura do mercado postal à iniciativa privada. O texto foi apresentado em fevereiro pelo governo federal.

A privatização dos Correios vem sendo discutida há anos no âmbito do governo federal e é motivo de protestos de funcionários da estatal. Diretor do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios da região sul, Emerson Saes relata que a inclusão dos Correios no PND é uma confirmação de uma ação que a categoria já aguardava.

Para ele, a movimentação neste exato momento buscando a privatização do serviço é uma tentativa do governo de evitar protestos e mobilizações contrárias, em função da pandemia. Inclusive, parafraseou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, apontando que o governo está aproveitando para “passar a boiada”, enquanto o foco está na pandemia. “Aproveita que as pessoas estão morrendo, preocupada com isso, e passa toda a destruição do Estado brasileiro.  Você vê isso acontecendo com a CEEE, com a Eletrobrás agora, que também vai ser colocada para privatização”, comenta.

Saes destacou, ainda, que além do momento estratégico, o governo também está promovendo a precarização do serviço dos Correios com o objetivo de torná-lo ineficaz aos olhos da população. Ele aponta que uma das ferramentas para isso foi o Plano de Demissão Voluntária (PDV), que teve adesão de cerca de 15 mil funcionários. Sem novas contratações para suprir a demanda, os funcionários restantes ficaram sobrecarregados. “O Estado criou uma estrutura gigantesca, que consegue manter 44% das entregas de todo o Brasil e deixar as concorrentes com apenas 56% e agora diz que não consegue fazer isso”, pontua.

Com a privatização, o Estado permaneceria apenas com o serviço postal, cuja responsabilidade está prevista na Constituição, e passaria toda a parte de entrega de encomendas para iniciativa privada através da parceria. Saes aponta que esta é a parte mais rentável de serviços, já que hoje existe um mercado enorme de e-commerce, que cresceu ainda mais durante a pandemia, ao contrário dos serviços postais, que continuariam sendo atendidos pelos correios. “Como o estado vai manter as cartas se hoje só consegue mantê-las se porque tem os serviços de encomendas? Sem isso, o serviço vai ter que ser tirado dos impostos. Hoje o Correio é autossuficiente, não tira um centavo dos impostos”, explica.

Cidades do interior, de médio e pequeno porte, como Bagé, Candiota, Hulha Negra, Aceguá e Dom Pedrito, seriam as principais atingidas, em caso de privatização, conforme explica: “A iniciativa privada não tem interesse de fazer esse serviço. O que interessa para eles são os grandes centros. As cidades menores terão grande prejuízo porque não vai chegar”.

Galeria de Imagens
Leia também em Cidade
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online