MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Cidade

Município deve gerir todos os recursos da Saúde se plano de gestão plena for aprovado

Em 17/04/2021 às 11:25h
Jaqueline Muza

por Jaqueline Muza

Município deve gerir todos os recursos da Saúde se plano de gestão plena for aprovado | Cidade | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Se medida for concretizada, contratualização passará a ser realizada diretamente com a Prefeitura | Foto: Tiago Rolim de Moura

Um longo caminho deve ser percorrido pela Prefeitura, caso o plano de adesão que formaliza a gestão plena da saúde seja aceito pelo Ministério da Saúde. O documento foi entregue nesta quinta-feira, ao órgão federal, pelo prefeito Divaldo Lara (PTB). O Ministério deve se posicionar em 120 dias.

De acordo com o secretário adjunto da Secretaria de Saúde e Atenção à Pessoa com Deficiência, Ricardo Necchi, no momento, o município possui gestão parcial e todas as verbas que chegam para a Saúde vêm através do governo do Estado. A partir implementação da Gestão Plena, o município passa a receber, diretamente da União, os recursos para pagamento de serviços prestados. “Hoje, por exemplo, os hospitais contratualizam com o Estado os serviços prestados. Com a gestão plena, a negociação passa a ser diretamente com o município”, disse.

Segundo Necchi, ainda há um longo caminho pela frente até que a adesão seja aceita. “Temos a expectativa que, até o final do ano, seja possível a mudança. Mas, devido à burocracia, não temos prazo”, relata.

O secretário adjunto ressalta que tanto a prefeitura quanto os hospitais e prestadores de serviço, muitas vezes, sofrem com atraso de repasses, pelo Estado, inclusive, com valores abaixo do necessário. “Com a gestão plena, cortaria os intermediários e o Estado ficaria com o controle e avaliação do que é realizado no município”, informa.

Usinas de oxigênio

Durante a agenda em Brasília, Divaldo também tratou sobre a construção de uma usina de oxigênio para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) e outra para a Santa Casa de Caridade de Bagé. Conforme Necchi, isso seria "muito bom" para o município visto que tanto a Upa quanto a Santa Casa passariam a produzir seu próprio oxigênio. Ele explica que na UPA, por exemplo, antes da pandemia, eram utilizados 20 cilindros por mês e, agora, são 60. “Na Santa Casa, a situação é pior e o custo para a compra mensal é muito alto”, relata.

Galeria de Imagens
Leia também em Cidade
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online