MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

ELLAS

O hábito de adiar a própria vida

“Nossa riqueza maior é a existência” | Dilce Helena Alves Aguzzi Psicóloga

Em 17/04/2021 às 00:00h
Viviane Becker

por Viviane Becker

O hábito de adiar a própria vida | ELLAS | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Stepehn Baker airport_lounge - reprodução

Por que adiamos uma conversa, atitude, encontro, reunião, faxina, decisão, consulta médica, etc? 

Porque nós, seres humanos, temos uma grande contradição: desejamos muito a novidade ao mesmo tempo em que o novo nos assusta terrivelmente.

Sofremos, todos nós, pelo hábito de desejar mudanças desde que apropriadamente anunciadas, a nosso favor, do nosso jeito e na hora que desejarmos, ou seja, impossível de concretizar!

Enquanto não sabemos se a mudança é boa mesmo, vamos levando, empurrando com a barriga, adiando, procrastinando. Como se os fatos e escolhas da vida estivessem organizados numa prateleira a nossa espera, como se tivéssemos todo o tempo do mundo e um dia voltamos àquela gôndola e escolhemos o que deixamos para trás há dez anos!

O mundo não para, a vida é mais dinâmica que nossa percepção consegue alcançar e dimensionar e, nós, além de não sermos eternos, não temos a menor ideia de quando vai expirar nosso prazo de validade.

Por isso é tão importante trazer para a pauta do dia abandonar a preguiça. Fazer agora ou não fazer mais. É isso mesmo, ou não fazer mais. Porque desistir de algo, por na lixeira,  é tão importante quanto realizar.

Quanta gente anda pesada por aí quase se arrastando porque carrega consigo toneladas e mais toneladas de projetos adiados indefinidamente, peso que não vai se descartando? Ao contrário, vai aumentando pela culpa de não ter se dado à devida atenção, pela dor do tempo ter passado e não ter realizado.

Quanto mais leves seríamos se nos dispuséssemos a fazer agora uma radical e honesta faxina interior? O que realmente eu quero fazer? O que de fato me faz crescer e proporciona alegria e plenitude? O que sei que não quero e nunca vou realmente realizar?

Responda rapidamente a essas perguntas e comece agora uma nova relação com sua própria vida. Sem adiamentos eternos, com mudanças saudáveis de planos e com concretizações pequenas e simples do dia-a-dia, mas grandiosas em valor pessoal.

Lembro de uma história que se repete em muitos filmes: o herói vai em busca de um tesouro inestimável e nesta busca enfrenta muitos perigos e sua vida é constantemente ameaçada e sua coragem várias vezes testada. Pois bem, o tesouro é encontrado e os perigos vencidos. Ocorre que na trajetória de volta para casa, com as glórias da vitória nas mãos, sempre acontece algum imprevisto com o transporte - avião, barco, balão, seja lá o que for -, e o herói precisa escolher entre o tesouro e a própria vida. Cada um faz seu entendimento desses simbolismos.

Eu gosto de pensar que nossa riqueza maior é a existência, a interação com os outros e o que aprendemos com elas. Quase todo o resto é peso desnecessário.

Galeria de Imagens
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online