MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Região

Candiota pode receber primeira usina termelétrica do Brasil com tecnologia supercrítica

Em 01/05/2021 às 09:15h
Felipe Valduga

por Felipe Valduga

Candiota pode receber primeira usina termelétrica do Brasil com tecnologia supercrítica | Região | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Construção deve gerar 2,5 mil empregos diretos na região | Foto: Reprodução /JM

Em 20 de maio, uma audiência pública virtual apresentará, em detalhes, o mais novo projeto destinado à construção de uma usina termelétrica a carvão mineral em Candiota: a Nova Seival. O empreendimento desenvolvido pela Energias da Campanha Ltda., subsidiária da Copelmi, se concretizado, será capaz de gerar até 726 megawatts. E com uma novidade: é a primeira unidade do tipo que utiliza tecnologia supercrítica, capaz de produzir energia de forma mais eficiente ao mesmo tempo em que emite menos gás carbônico.

Antecipando o evento, o JM conversou com o diretor técnico da Energias da Campanha Ltda., Levi Souto Junior, que comentou sobre as reais expectativas do projeto, o passo a passo necessário para sua efetivação, os cuidados da empresa para atender aos trâmites burocráticos que envolvem um projeto de tamanha proporção – o orçamento é estimado em US$ 1,3 bilhão – e o foco da empresa em garantir o desenvolvimento econômico regional não apenas com o investimento de capital, mas com a geração de empregos.

O atual cenário

De acordo com Souto Jr., a empresa realizará a audiência pública para atender à uma das exigências previstas para a liberação da obra. “São várias as etapas. Agora, apresentamos os estudos de viabilidade ambiental, locacional e técnico do projeto. Após essa audiência, o Ibama tem um tempo para avaliação”, detalhou ao explicar que a aprovação dos dados, neste momento, pode garantir a Licença Prévia, que autoriza, por exemplo, o avanço das tratativas para o encaminhamento do projeto básico.

Vale lembrar que a expectativa é que a Nova Seival, se tudo ocorrer dentro do cronograma, entre em operação em 2027. Antes disso, contudo, alguns trâmites são necessários. A LP buscada, por exemplo, permitiria a participação do empreendimento nos leilões de energia que o governo federal projeta realizar em setembro deste ano. Souto Jr, porém, reconhece que há possibilidades de que isto seja postergado, o que acarretaria em alterações naturais do fluxo de trabalho para as obras. “O governo deve detalhar, nos próximos dias, o Programa de Modernização do setor elétrico, que foi lançado em dezembro. E isso pode trazer algumas novidades, já que a perspectiva é que sejam contratados dois mil megawatts para Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Nós, por exemplo, buscamos um edital regionalizado, já que é difícil competir com alguns projetos de outras regiões onde há isenções muito mais atraentes, de até 75% em determinados impostos, como no Nordeste”, explicou ele ao frisar que, por isso, há incertezas a serem sanadas. E justifica: “porque você (o governo) está comprando energia para daqui seis anos”. Por outro lado, o diretor técnico afirma que o ambiente do mercado pode ser caracterizado pela “solidez”. “O contrato é de 25 anos (no caso dos leilões) e essa estabilidade é um atrativo, até porque o Brasil não tem histórico de quebra de contratos de energia”, destaca.

De qualquer forma, caso a LP seja liberada e a Nova Seival vença o leilão – o que, em parte, viabiliza o empreendimento, além dos investimentos diretos, já que o grupo deve fechar parceria com empresários chineses – as etapas seguintes seriam o desenvolvimento definitivo do projeto básico, o que pode adentrar 2022, seguido da busca pela Licença de Instalação. Feito isto, a construção é autorizada para ser realizada ao longo de 5 anos e, quando finalizada, opera a partir da emissão da Licença de Operação – esta projetada para 2027.

Mais eficiência e menos emissões

Além do vultoso investimento, que pode voltar a movimentar a Campanha gaúcha, a exemplo do ocorrido quando da construção da Pampa Sul, pela Engie, e da Fase C da Presidente Médici, da Eletrobras, o que vem sendo destacado para este novo empreendimento é sua tecnologia.

Conforme Souto Jr, trata-se da primeira usina a ser implantada no Brasil com a característica supercrítica. Esse modelo, conforme sua explicação, representa uma melhoria substancial no processo de geração a partir da queima do carvão mineral. “Aumentamos a eficiência da caldeira em 35%, estamos indo a 40%, o que equivale à uma redução da emissão de CO2 em 15%. Ou seja, é mais eficiente e gera menos emissão”, detalha.

A busca por tecnologia de ponta, claro, visa diminuir possíveis impactos ambientais. Mas além disto, o projeto da Nova Seival tem aspectos paralelos que prometem auxiliar neste quesito. Um deles é o local onde a usina será instalada: em uma área onde já foi extraído carvão, anos atrás, por um consórcio de empresas cimenteiras, em área já recuperada, inclusive, pela própria Copelmi. “Então o carvão sairá da lavra para o beneficiamento e vai direto para a Usina”, explica ao dizer que tudo ocorrerá em um mesmo local, sem necessidade, por exemplo, da instalação de esteiras para o transporte do mineral da mina até a queima.

A apresentação inclui, neste sentido, um total de 28 programas de gestão ambiental, bem como cinco programas de controle e monitoramento. Outra iniciativa já pensada é o reaproveitamento do material resultante da queima. “O carvão tem muita cinza sim, mas não é ruim, porque a usina adapta a produção ao combustível que for utilizar. No caso de Candiota, gera outros insumos. A cinza daqui, por exemplo, é mais barata que o Clínquer utilizado na fabricação do asfalto Portland. Então temos que criar a oferta desta cinza para a indústria cimenteira”, frisa ao antecipar uma nova possibilidade de negócio para a região.

Estratégia energética

Questionado sobre os motivos que levam a Energias da Campanha a investir em um novo empreendimento do setor, mesmo diante de um movimento de descarbonização, como o visto na Europa, Souto Jr. argumenta tratar-se de uma questão estratégica para o abastecimento do país.

“Temos um equivalente de riqueza em Candiota ao que o Brasil tem de óleo e gás. E temos uma vasta gama de itens de uso, mas, no país, é mais para a energia. Por isso o carvão continua num caminho de participação no setor energético, mesmo com o crescimento de fontes como a solar e eólica. Nos Estados Unidos, está sendo mais utilizado o gás, porque lá está mais barato, mas na China o carvão segue aumentando sua participação”, comenta ao ressaltar que fontes como carvão e gás servem como um backup para as renováveis. “Hoje, o Rio Grande do Sul é o quinto estado em capacidade instalada de eólicas, mas é uma geração que oscila e precisa deste backup quando a produção reduz”, completa.

Em uma avaliação exposta à reportagem, Souto Jr. mostrou que, na atualidade, no mundo, o carvão segue liderando a geração de energia, seguido pelo gás natural, as hidrelétricas e eólicas. Este patamar, conforme a projeção exposta, deve mudar até 2040, para quando se prevê uma liderança das solares, seguidas por gás e carvão (como suporte de backup) e outras fontes, como eólicas e hidrelétricas.

Essa transformação da matriz energética global é vista como natural. “No futuro, serão as baterias que garantirão o abastecimento. E só ali, com a tecnologia à disposição, é que pode haver um decréscimo das fontes como carvão e gás”, comenta ao destacar, contudo, que na atualidade o carvão é fundamental para a sustentação energética, por sua segurança e estabilidade. “Nós tivemos o desligamento das Fases A e B, em Candiota, além da unidade de São Jerônimo no Rio Grande do Sul. Então são 500 megawatts a menos de produção termelétrica que temos que repor”, entende ao completar: “tem usinas caras, mas não são as a carvão. Estas ajudam, inclusive, a baratear a tarifa”.

De acordo com o diretor, Candiota tem capacidade, neste momento, para receber pelo menos três projetos iguais ao proposto pela empresa com duração das operações por cerca de 25 anos. A Nova Seival, inicialmente, deve operar com uma unidade de 363 MW. “São duas. Agora se será uma ou duas de uma vez depende do investimento e se o leilão contratará o montante de geração”, argumenta ao evidenciar que a vontade do governo é que determinará a amplitude de montagem da usina.

Desenvolvimento local

O projeto da Nova Seival estabeleceu, ainda, como uma das prioridades, o foco na contratação de mão de obra local para a construção e operação. Este quesito, como já visto em obras anteriores, é um dos principais motivadores do desenvolvimento regional, já que envolvem uma quantidade considerável de postos de trabalho. A previsão para a usina da Energias da Campanha, para se ter uma ideia, é que 2,5 mil vagas diretas sejam criadas ao longo da construção.
“Um dos nossos compromissos é criar um banco de dados para o cadastro de currículos. E já estamos articulando isso com as prefeituras, para priorizar a mão de obra local. Com este canal, além de recebermos currículos de forma direta, as prefeituras poderão também intermediar este contato com a empresa”, garantiu.
A expectativa, ainda, é que um total de 145 empregos diretos e outros 4.650 indiretos sejam viabilizados a partir da operação da usina, bem como mais 250 no setor de mineração.

 

BOX

DADOS TÉCNICOS

A Nova Seival projeta a queima diária de 12.600 toneladas de carvão, a utilização de calcário para a redução da emissão de enxofre e a utilização de água – uma barragem será construída para garantir o abastecimento - para a refrigeração e geração de vapor para mover as turbinas.

Capacidade de geração: 726 MW (2x363MW)

Investimento: US$ 1,3 bilhão

Conexão Elétrica: SE Candiota II 500 kV (em construção, a 17KM)

Suprimento de Carvão: Seival Sul Mineração (SSM), reservas de 2GW por mais de 25 anos

Caldeira: Leito Fluidizado Circulante CFB

Custo Variável Unitário (CVU): < R$ 90,00

 

 

Galeria de Imagens
Leia também em Região
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online