MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Urcamp

Data celebra luta contra a violência às mulheres em todo o Brasil

Em 10/10/2021 às 09:12h

por Redação JM

Data celebra luta contra a violência às mulheres em todo o Brasil | Urcamp | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Delegacia da Mulher recebe cerca de 100 denúncias por mês em Bagé | Foto: Reprodução/Pixabay

Por Bianca Vaz

Acadêmica de Jornalismo da Urcamp

No próximo domingo, 10 de outubro, é celebrado o Dia Nacional de Luta contra a Violência à Mulher. A data, comemorada desde 1980, marca o dia em que um grupo de mulheres se reuniu nas escadarias do Teatro Municipal de São Paulo, como parte de um movimento de caráter nacional, em protesto contra o então índice crescente de crimes contra mulheres em todo o Brasil.

De lá para cá, as mulheres brasileiras conseguiram conquistas importantes, como por exemplo, a criação da Lei Maria da Penha, em 2006. Porém, o fim dos casos de violência contra mulheres no Brasil ainda está longe de acontecer. No ano passado, segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, foram denunciados 105.821 casos de violência contra a mulher no país através de plataformas como o Ligue 180, que presta escuta e acolhida às mulheres em situação de violência.

Em 2021, no Rio Grande do Sul, por exemplo, até o mês de agosto, haviam sido denunciados mais de 11 mil casos de agressões físicas; 1,2 mil estupros e quase 21 mil ameaças contra mulheres, além de 72 feminicídios consumados e 162 tentativas.

Conforme a titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher em Bagé, Daniela Barbosa de Borba, em média a unidade recebe cerca de 100 ocorrências por mês. A delegada salienta que a mulher deve estar atenta para os primeiros sinais da violência doméstica, que costumam ir tomando uma proporção maior no decorrer do relacionamento.

Caso seja vítima de violência, a mulher deve procurar a Delegacia, que fica na Avenida Sete de Setembro, 634, para registrar ocorrência e solicitar medida protetiva de urgência. Daniela também ressalta a importância do apoio de familiares e amigos. “Eles podem ajudar as vítimas de diversas formas: ouvindo, aconselhando, acolhendo e inclusive fazendo denúncias, mesmo que de forma anônima”, garante.

O papel da Coordenadora da Mulher

A coordenadora municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Cândida Navarro, explica que o papel da sua Coordenadoria na luta contra a violência às mulheres é de criar, implementar e articular ações e políticas públicas para enfrentamento à violência, e para o acolhimento da vítima. “Ela trata das políticas de prevenção, e organiza e implementa as ações a nível Municipal, assessorando o poder público dentro do município”, afirma.

Para isso, explica que o órgão público luta contra a violência levando conhecimento, comunicando a mulher e a sua família sobre seus direitos, e tentando refletir sobre esses comportamentos abusivos através de conversas. “Falamos não apenas com as mulheres, mas com os homens também, afinal essas situações só vão mudar quando os homens mudarem a sua forma de pensar e agir com relação às mulheres”, conta.

Junto à Coordenadoria funciona o Centro de Referência de Enfrentamento à Violência contra a Mulher (CRM), que também é coordenado por Cândida. O centro de referência é o órgão que acolhe a mulher quando a violência já aconteceu. “A ação dele é terapêutica, é de acolhimento e atendimento no momento da crise, no momento em que o ciclo da violência aconteceu, os dois se complementam”, explica.

Cândida comenta sobre dois projetos que são fundamentais para o trabalho da Coordenadoria. O primeiro deles é o “Tecendo as Redes", que foi implementado em 2017 e trata de reunir a Rede Pública, desde a Segurança Pública, Educação, Saúde, Assistência Social, Cultura e todos os órgãos, como as ONGs e os movimentos que trabalham com a prevenção à violência.

No projeto são realizados encontros mensais ou quinzenais em que a coordenadoria se reúne para tratar da questão da violência doméstica e intrafamiliar em Bagé, trazendo pessoas que possam agregar conhecimento ao trabalho que é realizado, e ao mesmo tempo realizando palestras, encontros, rodas de conversa nos bairros, nas escolas, associações de moradores e nas igrejas. “Onde tiver um grupo que queira ouvir, a gente vai estar com a nossa equipe multidisciplinar atendendo e levando a informação, comunicando o nosso trabalho, mostrando a importância de se criar dentro da comunidade multiplicadores dessa política pública”, declara.

A segunda ação mencionada pela coordenadora é com relação ao projeto “Desconstruindo a Violência”, em convênio com o Governo no Estado, que promove o diálogo e mapeia a violência no município, além de trabalhar na identificação dos tipos de violência contra as mulheres. “A gente monta uma estrutura numa localidade e ali nós conversamos com as pessoas daquela comunidade para que os moradores consigam reconhecer se existe violência naquele bairro”, destaca.

Segundo a coordenadora, primeiramente é identificado os tipos de violências que acontecem. E então a coordenadoria trabalha com os agentes públicos de combate à violência praticada contra a mulher, incentivando a denúncia anônima e mostrando a rede de acolhimento. “Quando chega até nós, a gente verifica se ela precisa de médico, quais os atendimentos, quais os encaminhamentos que ela precisa com urgência, e vamos fazer esse acompanhamento, pois ela tem um acompanhamento social e jurídico conosco”, explica.

A coordenadoria possui um plantão de denúncias 24h de domingo a domingo, o número do telefone para contato é (53) 99966.3829. Além disso, a pessoa pode ir ao local, que fica na Rua Marcílio Dias, 1800, junto ao Centro do Idoso, em frente ao prédio da Receita Federal, e conversar com técnicos para se instruir e depois ser acompanhada pela equipe para fazer o B.O. e receber acompanhamento psicossocial e jurídico.

Cândida destaca que a violência não é só física, ela também é psicológica, patrimonial, sexual e moral. “A gente precisa combater todos os tipos de violência porque a tendência é que se preocupe apenas com a questão da violência física, porque aparece, mas não é assim. A violência psicológica é cruel”, pondera.

A coordenadora também afirma que a violência acontece por ciclos, que envolvem a explosão de violência, xingamentos e surras, o “arrependimento” do agressor, que pede desculpas e promete que vai mudar e a “Lua de Mel”, onde tudo está bem até a próxima agressão. “O recado principal que a gente deixa para as mulheres é que elas não estão sozinhas, e para a sociedade é de que entre um casal, seja um homem e uma mulher, duas mulheres ou dois homens, a única coisa que pode bater é o coração”, declara a coordenadora.

 

LEGENDAS DAS FOTOS

Foto1: Delegacia da Mulher recebe cerca de 100 denúncias por mês em Bagé

Foto2: Veja como funciona o ciclo de violência

Delegada Daniela: Delegada Daniela afirma que mulheres devem estar atentas para os primeiros sinais da violência doméstica.

Coordenadora Cândida: Cândida destaca que coordenadoria possui plantão de denúncias 24h

 

 

 

Galeria de Imagens
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br