ANO: 24 | Nº: 6108
18/06/2018 Cidade

Igreja Episcopal Anglicana aprova casamento homoafetivo

Foto: Divulgação

Reverenda votou a favor da realização do sacramento
Reverenda votou a favor da realização do sacramento
A Igreja Anglicana do Brasil autorizou, na semana passada, durante o 34º Sínodo Ordinário, a emenda Canônica que permite o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo. A resolução foi tomada em Brasília, no dia 2 de junho, em uma assembleia geral com os representantes da religião pelo País. Foram 57 votos a favor, três contrários e duas abstenções. O resultado foi consequência de um amplo debate, que durou, aproximadamente, 21 anos.
A nova regra precisa ser aprovada por cada uma das nove dioceses, que funcionam com autonomia. A primeira a aprovar foi a Diocese de Porto Alegre, que realizou o concílio neste final de semana. A paróquia de Bagé, que pertence ao distrito missionário Sul Ocidental, com sede em Santa Maria, deverá definir a medida a ser tomada apenas em novembro de 2019, quando acontece o concílio.
Conforme a reverenda Ana Maria Esvael Lopes, que participou do Sínodo em Brasília, seu voto é pela realização do casamento homoafetivo. "Votei a favor e penso que Deus acolhe a todos", disse. Ela salienta que a tendência é que seja aprovado na Diocese, mas ressalta que há pessoas contra, e, por isso, é necessário respeitar todos os posicionamentos.
A permissão para o casamento gay é mais uma atitude considerada vanguardista da Igreja Anglicana do Brasil. Entre outros pontos, ela não traz a imposição de celibato. Além disso, há 33 anos, têm mulheres na ordenação. É o caso de Ana Maria, que foi ordenada há 26 anos, é casada há 37 e tem dois filhos e uma neta. Cada um desses temas foi alvo de debate interno antes de serem aprovados pela Igreja.
Ana Maria enfatiza que a decisão foi acolhedora, porém mais de 60 pessoas serão responsáveis pela aprovação em 2019. Ela destaca que a paróquia já está trabalhando para a realização do concilio que deve acontecer de 15 a 17 de novembro do próximo ano.

Instituição

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil é considerada uma das maiores instituições religiosas de Bagé e conta com 114 anos. No País, a fundação foi em 1890, portanto tem 128 anos. Além da missão de evangelizar, tem todo um trabalho de cunho social na cidade.
A Anglicana, que integra a linha das chamadas igrejas históricas, deu exemplo ao mundo, ao ordenar mulheres. No Brasil, a primeira ordenação feminina aconteceu em 1985, com a reverenda Carmen Etel Alves Gomes. Hoje, cada vez mais, as mulheres têm um papel decisivo na Igreja, que não relega a segundo plano o importante papel feminino no cenário religioso.
A reverenda Ana Maria assumiu a paróquia de Bagé em 1999, juntamente a seu coadjutor, reverendo Rodimar Pinto Lopes. O atual templo da Matriz do Crucificado teve construção iniciada em 1954. No ano seguinte, foi inaugurado o salão paroquial e, em 1963, a igreja foi aberta aos paroquianos.

Locais no mundo

Essa é uma marca da Igreja Anglicana, que se orgulha de ser gerida de forma descentralizada. Por exemplo, o casamento gay já é autorizado nos Estados Unidos e no Canadá. No entanto, ainda não é no Reino Unido, berço da religião. No mundo, está presente em 165 países, com 120 milhões de fiéis. Tem até um assento como observador permanente na Organização das Nações Unidas (ONU).

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...