ANO: 25 | Nº: 6382
09/11/2019 Fogo cruzado

Zequinha deve deixar coordenadoria regional do MDB

Foto: Tiago Rolim de Moura

Nobre adianta que agora deve focar atuação em Bagé
Nobre adianta que agora deve focar atuação em Bagé
José Carlos Nobre (Zequinha) deve encerrar um ciclo na coordenação regional do MDB neste sábado, 9, com a eleição da nova chapa que deve comandar o colegiado. À frente da organização, desde 2014, o servidor público afirma que decidiu não disputar novo mandato para ‘permitir a renovação’. “Acho que a oxigenação é importante. Temos que dar oportunidade para novas lideranças. O partido não pode ficar preso aos mesmos nomes. Temos que dar oportunidade para outras pessoas conduzirem o processo. Eu já dei minha parte, auxiliando na eleição de um governador e na organização local”, avalia.
A campanha eleitoral de 2014, vencida por José Ivo Sartori, aliás, é qualificada como um dos principais desafios encarados pelo coordenador. “Conheci o Sartori em abril de 2014, em uma reunião em Dom Pedrito, quando ainda era pré-candidato. Ele não conhecia nossa região. Estava percorrendo o Estado justamente para conhecer a realidade do MDB em cada localidade. Foi a primeira vez que conversamos pessoalmente. Naquele ano, realizamos as primeiras campanhas municipalizadas do partido. Foi uma experiência nova e exitosa para a nossa coordenadoria”, pondera.

Histórico
Zequinha tem ligação histórica com o MDB, partido pelo qual milita desde a juventude. À frente da secretaria da executiva municipal, o emedebista, agora, deve concentrar esforços na política bajeense. “Desenvolvi boa relação com todos os diretórios. E seguirei auxiliando na coordenadoria, até pela experiência que acumulei. Mas acho que Bagé precisa de uma atenção especial, por viver este momento, que podemos qualificar como momento de instabilidade. O MDB tem um papel fundamental na questão da governabilidade, auxiliando o prefeito Manoel Machado, inclusive na Câmara”, pontua.

Balanço
O MDB perdeu duas prefeituras no pleito de 2016, mas avançou na representação legislativa, passando de nove parlamentares para 15. Zequinha destaca que o partido tem quatro vereadores em Aceguá, dois em Bagé, dois em Dom Pedrito, dois em Candiota, dois em Caçapava do Sul, um em Lavras do Sul e um em Santana do Livramento.
Na região, o partido não tem representação apenas em Hulha Negra. “Montamos comissões provisórias, mas elas não têm continuidade. Estabelecer o diretório é uma das metas da coordenadoria”, salienta.
O planejamento inclui, ainda, a ampliação do número de prefeituras e a eleição de deputados. “Temos o vice-prefeito de Lavras do Sul e iniciamos as tratativas para definição de candidaturas em Aceguá, Candiota, Caçapava do Sul, Dom Pedrito e Santana do Livramento”, revela.

Unidade
Zequinha acredita que uma chapa de consenso deve ser formada para a eleição deste sábado, na sede do diretório bajeense (avenida João Telles, nº 1110), a partir das 9h. A unidade, de acordo com o coordenador que deixa o posto, tem norteado decisões em Bagé. Ele menciona como exemplo a indicação de Alencar Dal Molin para a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação. “É um nome muito identificado com o partido. Quando decidimos deixar o governo, em 2014, ele entregou a pasta, deixou o governo e continuou no partido. São estas posturas que construímos e valorizamos”, garante.

Deixe seu comentário abaixo

Mais notícias da edição

Outras edições

Carregando...