MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Campo e Negócios

Exportações de arroz em 2020/21 foram as maiores dos últimos nove anos, diz Abiarroz

Em 12/03/2021 às 16:22h

por Redação JM

Exportações de arroz em 2020/21 foram as maiores dos últimos nove anos, diz Abiarroz | Campo e Negócios | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Além de Venezuela, outros sete países se destacaram como destinos do produto brasileiro | Foto: Giovane Neu/Irga

As exportações brasileiras de arroz (base casca) no ano comercial 2020/21 (março a fevereiro) foram as maiores dos últimos nove anos, com embarques de 1 milhão e 770,6 mil toneladas, puxados pelas compras da Venezuela (313 mil t). Já as importações alcançaram o maior volume dos últimos 12 anos: 1 milhão e 353,3 mil t. Com isso, a balança comercial do setor teve saldo de 417,3 mil t nesses 12 meses marcados pela pandemia de covid-19. Os números foram divulgados nesta sexta-feira (12) pela Abiarroz (Associação Brasileira da Indústria do Arroz) e Sindarroz-RS (Sindicato da Indústria do Arroz no Estado do Rio Grande do Sul), com base em informações do Ministério da Economia.

Na séria histórica do setor, as exportações de 2020/21 só perdem para o ano comercial de 2011/12, quando as vendas externas somaram 2 milhões e 99 mil t. Do total embarcado, o arroz beneficiado representou 38,8%, o arroz quebrado, 33%, e o arroz em casca, 27,2%. Segundo a Abiarroz e o Sindarroz/RS, o ano comercial 2020/21 teve forte incremento nas exportações de cereal em casca em relação ao ciclo 2019/20, quando a participação foi de 18%.

“O ano comercial 2020/21 foi muito desafiador, e a cadeia produtiva do arroz brasileiro cumpriu a sua missão de abastecer os mercados interno e externo, com alto grau de fidelização dos países atendidos e também com agregação de destinos”, avalia o diretor-executivo do Sindarroz-RS, Tiago Sarmento Barata. “O arroz brasileiro se impõe cada vez mais no mercado mundial como ofertante de um cereal de qualidade superior.”

Destinos

Além de Venezuela, outros sete países se destacaram como destinos do arroz brasileiro: Senegal (225 mil t), Peru (176,5 mil t), Gâmbia (129 mil t), Serra Leoa (110 mil t), Estados Unidos (95 mil t), Costa Rica (91,4 mil t) e Cuba (90 mil t).     

Ainda conforme a Abiarroz e o Sindarroz-RS, o volume importado de 1 milhão e 353,3 mil t representou alta de 33% em relação ao ano comercial 2019/20. Os principais fornecedores de arroz para o Brasil, no ciclo 2020/21, foram o Paraguai, com participação de 47%, Uruguai (20,1%) e Argentina (11,2%).

Em fevereiro, o Brasil exportou 81.964 t de arroz (base casca) e importou 82.131 t. A balança comercial teve déficit de 166,5 t, conforme a Abiarroz e o Sindarroz-RS.

Galeria de Imagens
Leia também em Campo e Negócios
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

plantao@jornalminuano.online
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

comercial@jornalminuano.online
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

central@jornalminuano.online