MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Empreendedor

Sebrae indica que mais da metade das empresas gaúchas remodelaram o negócio na pandemia

Em 21/10/2021 às 00:01h
Melissa Louçan

por Melissa Louçan

 

Empreendedores gaúchos estão apostando em novas habilidades, ferramentas, e até na oferta de novos produtos e serviços como estratégia para se manterem competitivos em meio aos desafios impostos pela pandemia. Mais da metade das empresas (57%) informam que remodelaram suas atividades no período, em especial, no que diz respeito à adoção de ferramentas digitais para vendas e relacionamento com o cliente (54%), utilização de trabalho/atendimento remoto (32%), mudança de produto/serviço (29%) e readequação de estrutura física (27%).

Os dados são da 16ª edição da Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise desenvolvida pelo Sebrae RS e refletem a tendência e o otimismo na retomada de setores significativos da cadeia econômica gaúcha frente à ampliação da vacinação. “O ambiente de negócios tem melhorado e as oportunidades de novos mercados e expansão de clientes tem surgido para as empresas que se reinventaram durante a pandemia. Por isso, é fundamental continuarmos fomentando as boas iniciativas e oferecendo apoio”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy.

Uma em cada três empresas afirmou que o nível de atividade retornou ou está superando o nível pré-pandemia. O tempo estimado para recuperação é entre 6 e 12 meses para 36% dos negócios que ainda não retornaram as atividades aos níveis pré-pandemia. No que tange a busca por recursos, uma em cada cinco empresas buscou crédito, sendo boa parte para pagar contas (47%), mas também para comprar máquinas e equipamentos (37%), o que indica otimismo por parte destes empreendedores. O valor médio obtido foi de R$ 57,1 mil.

A crise também impulsionou o aprendizado e a valorização de novos conceitos e processos por parte dos empreendedores gaúchos, que identificaram oportunidades, tais como: É fundamental ter uma reserva financeira (56%); Estar aberto às mudanças (52%); Ter um bom controle de custos (43%); Boa comunicação com as partes interessadas - clientes, fornecedores e colaboradores (39%); Relacionamento e vendas pelas redes sociais (33%); Ler o cenário e se adaptar rapidamente (33%); Estar presente no ambiente digital não é mais diferencial, é obrigatório (38%); Ter um bom planejamento (37%).

Em relação ao futuro do ambiente de negócios, o estudo indica que 67% dos empresários acreditam na melhora da situação do ramo de atividade (frente aos 65% em agosto) ao passo que 58% creem na melhora da economia gaúcha (frente aos 56% de agosto).

A pesquisa foi realizada de forma online entre os dias 14 e 30 de setembro de 2021 e contou com uma amostragem de 428 respondentes. O nível de confiança é de 95% e margem de erro de 4,7%.

Leia também em Empreendedor
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 999719480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br