MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Fogo Cruzado

Prejuízos econômicos causados pela seca no Rio Grande do Sul somam R$ 42 bilhões

Em 09/04/2022 às 11:42h

por Redação JM

Prejuízos econômicos causados pela seca no Rio Grande do Sul somam R$ 42 bilhões | Fogo Cruzado | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler
Candiota integra lista de cidades que contabilizam prejuízos / Foto: Divulgação/Flavio Sanches

Os prejuízos econômicos causados pela seca no Estado Rio Grande do Sul, de janeiro de 2020 a março de 2022, já ultrapassaram R$ 42 bilhões, segundo estudo da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Desabastecimento de água para o consumo humano e animal é um dos problemas enfrentados por de 3.617.393 pessoas. Para socorrer o Estado, o governo federal liberou R$ 28,3 milhões, apenas 0,06% do total. Os impactos diretos e indiretos da estiagem motivaram os 1.007 decretos de Situação de Emergência (SE) atestados pela da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério do Desenvolvimento Regional (Sedec/MDR), incluindo de cidades da região da Campanha.

De acordo com estudo da CNM, além da pandemia da Covid-19, em 2020, a seca impactou diversas localidades gaúchas e foi responsável por 560 (51,6%) decretos de anormalidade. Já em 2021, foram 151 (22%); e este ano, até o mês passado, foram 296 (26,3%) pedidos de socorro por conta da falta de chuvas.

Esses números representam perdas econômicas no Estado de: R$ 17,8 bilhões em 2020; R$ 5,8 bilhões em 2021; e R$ 18,2 bilhões em 2022. As áreas mais afetadas são: abastecimento de água (R$ 198,4 milhões), agricultura (R$ 35,2 bilhões), pecuária (R$ 6,5 bilhões), indústria (R$ 6,9 milhões) e comércio (R$ 8,2 milhões). Contudo, outros setores também foram afetados, inclusive a saúde o transporte e os combustíveis.

O governo federal liberou R$ 17,8 milhões (42,5%) em 2020; R$ 5,8 milhões, (13,9%) em 2021; e R$ 13 milhões (43,4%) em 2022. Esses valores foram confirmados pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Rio Grande do Sul (Cedec/RS). Levantamento da CNM indica aponta ainda para a crise hidroenergética, causada pela seca, em 236 Municípios.

Para o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, o governo não ajuda as prefeituras, já que, dos R$ 42 bilhões, as prefeituras não recebem praticamente nada para fazer prevenção. ”Há uma diminuição da agricultura, e, no primeiro momento, procura-se atender o produtor. O que é muito bem-vindo, mas isso não significa dinheiro para a prefeitura. Agora, por exemplo, esse anúncio de R$ 1,2 milhão para o Sul do país e parte para o Rio Grande do Sul é importante para aliviar a situação do agricultor”, explica.

Segundo Ziulkoski, esse dinheiro não é destinado à gestão local, mas é uma possibilidade de os produtores abaterem suas dívidas e/ou alongar o prazo para o pagamento. “É um fôlego para o agricultor, mas não é dinheiro de entra”, disse. Outro aspecto levantado por ele está no reflexo nas perdas no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nos próximos anos, pois nas cidades com fábricas a seca tende a aumentar o valor dos produtos. “É dinheiro que falta lá na ponta para saúde e educação”, destaca.

 

Com informações da CNM

Galeria de Imagens
Leia também em Fogo Cruzado
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 99971-9480

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br