MENU

Identifique-se!

Se já é assinante informe seus dados de acesso abaixo para usufruir de seu plano de assinatura. Utilize o link "Lembrar Senha" caso tenha esquecido sua senha de acesso. Lembrar sua senha
Área do Assinante | Jornal Minuano | O jornal que Bagé gosta de ler

Ainda não assina o
Minuano On-line?

Diversos planos que se encaixam nas suas necessidades e possibilidades.
Clique abaixo, conheça nossos planos e aproveite as vantagens de ler o Minuano em qualquer lugar que você esteja, na cidade, no campo, na praia ou no exterior.
CONHEÇA OS PLANOS

Filosofia, ainda

Em 11/06/2024 às 07:05h, por José Carlos Teixeira Giorgis

Nos idos de oitenta, após se inativar como juiz do trabalho, Clóvis Assumpção veio residir em Bagé. Coproprietário com sua irmã Mariinha de um edifício central, além do apartamento em que morava, Clóvis destinou outro para expor sua pinacoteca e organizar reuniões literárias. Ali participei da fundação de um grupo de simpatizantes dos estudos filosóficos. Na relação das obras escritas, Clóvis intentava promover um levantamento da filosofia no Rio Grande, tendo já publicado “Astrolábio 1972-1973.Diário de um filósofo”, e “Dimensão do Heroísmo. Antropologia Filosófica”, além de numerosos livros de poemas, crítica, direito, etc.

Ao relacionar intelectuais bajeenses, refere o importante núcleo de positivistas que se reunia no histórico prédio da família Cantera, formado por Domingos Pinto Figueiredo de Mascarenhas, Veríssimo Dias de Castro, Cap. João A.de Oliveira Valle, Cap. Maurício Antonio de Lemos, Vicente Lucas de Lima e J. Lucas de Lima. É importante sublinhar que essas pessoas constam da obra clássica de Ivan Lins sobre o positivismo no Brasil. Clóvis acrescenta ainda Gaspar Silveira Martins, Pedro Osório e até o Dr. Pena, como representantes também do pensamento local.

Uma das singularidades do autor é o acréscimo de Francisco Valdomiro Lorenz, “modesto professor primário do começo do século em atividade no interior do município de Camaquã”, que na sua humilde obscuridade, era versado em hebraico e deixou contribuição em temas esotéricos, especialmente a Cabala, mas também era um místico, poliglota, filólogo.

Nas mesmas páginas, Clóvis faz algumas considerações sobre Venâncio Pastorini, “filósofo popular” que conheceu como odiado, vilipendiado e desprezado, cuja preocupação era “arrasar, jamais poderia com sinceridade ser amável, convencional e apropriado”. Mas que era homem simples “e com simplicidade passou toda a sua vida”.

Em outros trechos de seu diário Clóvis inclui entre os filósofos mais recentes Félix Contreiras Rodrigues e Attila Taborda, tendo sido aluno de ambos. Ressalta a grande atividade filosófica do primeiro, concretizada em numerosas publicações, mantendo sempre em linha de sobriedade, afastada de qualquer promoção pessoal.

Sobre Attila Taborda, além de elogiar o grande trabalho comunitário com a criação da Vila Vicentina, em cujo discurso de lançamento da pedra fundamental e inauguração dos primeiros apartamentos expôs o conteúdo de sua filosofia, também a manifesta na publicação “Leão XIII, Karl Marx e o problema social” e no livro “A Origem da Vida em nosso planeta à luz da biologia moderna”, onde o filósofo debate assuntos instigantes como a existência da vida, o humanismo de Heckel, geração espontânea, e outros.

Leia Também...
O Minuano e Eu Ontem por Sapiran Brito
Dos nomes Ontem por Sapiran Brito
Canto e Lamento de um Desabrigado Ontem por Luiz Coronel
Maritza e os espíritos Há 5 dias por José Carlos Teixeira Giorgis
As adversidades na história de Bagé Ontem por Diones Franchi
Tem que tu Ontem por Guilherme Collares
PLANTÃO 24 HORAS

(53) 9931-9914

jornal@minuano.urcamp.edu.br
SETOR COMERCIAL

(53) 3242.7693

jornal@minuano.urcamp.edu.br
CENTRAL DO ASSINANTE

(53) 3241.6377

jornal@minuano.urcamp.edu.br